terça-feira, 15 de janeiro de 2019

A UE continua a ser importante?


Num mundo competitivo e de grandes potências económicas é fácil um pequeno país, sozinho, sentir-se insignificante e isolado. É aqui que entra a União Europeia.


Resultado de imagem para Is the EU still relevant

Saber mais.

domingo, 13 de janeiro de 2019

#EUANDME

Ser europeu oferece um conjunto de oportunidades para todos, particularmente para os jovens. A #EUANDME pode ajudar a indicar alguns caminhos.




Ajuda humanitária

A União Europeia, na pessoa do comissário responsável pela Ajuda Humanitária e Gestão de Crises, Christos Stylianides, anunciou que vai intensificar a ajuda de emergência para refugiados, deslocados internos e vítimas de catástrofes naturais. Saber mais.







Holocausto

Os responsáveis pelo arquivo alemão International Tracing Service (ITS), cujo espólio foi inscrito em 2013 pela UNESCO na lista do património documental "Memória do Mundo", anunciaram esta segunda-feira a publicação online do seu inventário da época do Holocausto.


Saber mais.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

Populismos na Europa


Aproximamo-nos das eleições para o Parlamento Europeu (maio de 2019) e eis que me vem à memória uma notícia que, em setembro de 2018, li aqui. Fiquei preocupado pois a perspetiva da criação de um movimento pan-europeu como o The Movement é uma manifestação de populismo e representa  o crescimento dos extremismos na Europa.
Steve Bannon delivers a speech at the "Atreju 2018" meeting organised by Fratelli d'Italia party in Italy on 22 September 2018De acordo com a peça jornalística,  The Movement é apoiado por Steve Bannon, antigo conselheiro do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, cuja ideia é formar um partido que possa juntar eurocéticos e antieuropeístas para a criação de um grande grupo com lugar no Parlamento Europeu (lugar esse que posteriormente pretenderá destruir). O The Movement tem afirmado estar a preparar uma candidatura às eleições para o Parlamento Europeu e os seus objetivos parecem ser o oposto do que defende a Open Society Foundation, uma fundação que ajuda na democratização de vários países no mundo e na integração de refugiados no espaço europeu.
O The Movement pretende ser uma organização que contribui com recursos económicos e serviços, por exemplo, aconselhamento de comunicação, recolha de dados e estratégias de marketing, para que os partidos de extrema-direita se afirmem nos diversos países europeus, com o objetivo de implementarem medidas antirrefugiados e anti-imigrantes.
Este movimento acredita que a diminuição/impedimento de entrada de refugiados e de imigrantes é a melhor solução para a crise dos refugiados, posição que, a ser tomada, acredito que agravaria as tensões entre a Europa e os países não Europeus.
Apesar de não concordar com a génese do movimento, a sua existência veio colocar a “(…) a Comissão Europeia (…) em alerta vermelho: depois dos avatares internos da política polaca, do crescimento da extrema-direita na Áustria, na Holanda, em França, na Alemanha, na Itália e finalmente na Suécia, dos ‘desvarios’ da Hungria e da incapacidade de gerar um Brexit aceitável para todos (…)” e talvez leve a Comissão Europeia e as restantes instituições a repensar o futuro da Europa e da União Europeia.
Se este movimento conseguir os seus objetivos, estaremos perante um processo de regressão no tempo, até à época do nacionalismo e do fascismo.
Atualmente, devemos trabalhar no sentido de aceitar as diferenças, saber conviver com outras culturas e costumes, sem acreditar na existência de uma raça ou cultura superior às demais, combatendo o xenofobismo e o racismo ao invés de promove-lo.  E esta mensagem é dirigida aos mais jovens que, supostamente, deveriam ter um pensamento mais aberto, mas que, pelo contrário, são os que cada vez mais apoiam este tipo de mentalidade e movimentos.   

Para saber mais sobre este tema: 

The movement: How Steve Bannon is spreading populist Trump-style politics across Europe




Rafael Raminhos, embaixador júnior do Programa EEPE

Capitais da Cultura 2019


Plovdiv e Matera são Capitais Europeias da Cultura 2019

Plovdiv (Bulgária) e Matera (Itália) são as Capitais Europeias da Cultura 2019.

Analfabetismo Político

Analfabetismo Político – um problema da atualidade

1


Um dos problemas da nossa  sociedade é o analfabetismo político resultante, em parte, de um desinteresse geral relativamente à política nacional e internacional.
Vivemos numa sociedade onde a educação política e tudo o que a rodeia é pouco dado a conhecer. As pessoas, especialmente os jovens, não mostram interesse sobre questões políticas, não se informam sobre os ideais dos diferentes partidos ou sobre as linhas de orientação dos candidatos à presidência do seu país. Já os mais velhos, parecem desiludidos com as políticas atuais, mantêm-se presos a ideias antigas, desatualizadas, abstendo-se de participar nos atos eleitorais o que não contribui para o avanço político, económico, social e cultural.
É cada vez mais necessário haver uma educação política nas escolas, em casa, nos meios onde as pessoas convivem, mostrando que o Estado somos nós, cidadãos, e que a política faz parte das nossas vidas.
O combate ao analfabetismo político deve ser uma realidade assumida por todos, uma vez que o futuro do nosso país depende das escolhas que fizermos no momento das eleições. E este ano vamos ser chamados a votar para o Parlamento Europeu e nas eleições legislativas nacionais.

Elena Adelina Militaru, embaixadora júnior do programa EEPE

sexta-feira, 4 de janeiro de 2019

20º Aniversário da Moeda Única


20º aniversário do Euro


Foi no dia 1 de janeiro de 1999 que 11 países da União Europeia adotaram a moeda íunica, o Euro dando início a uma política monetária comum sob orientação do Banco Central Europeu.






A UE continua a ser importante?

Num mundo competitivo e de grandes potências económicas é fácil um pequeno país, sozinho, sentir-se insignificante e isolado. É aqui que ...